Comprar imóvel ou alugar imóvel?

Essa é uma pergunta que, muito provavelmente, já passou pela sua cabeça um sem número de vezes, não é mesmo?

Pois bem, ela de fato é uma dúvida bastante importante, especialmente para aqueles que estão no momento de acumular capital visando viabilizar um futuro muito mais confortável r estável!

Nesse artigo, vamos explicar para você alguns aspectos muito importante que certamente te ajudarão a fazer uma escolha melhor sobre qual caminho tomar!

Para começar, o essencial é verificar uma informação importante: Você possui o valor integral para comprar o imóvel ou ainda precisará fazer um financiamento?

Se você tem o valor integral, então de fato essa possibilidade ainda é uma hipótese real para você. Se você se incluir no grupo dos que além de zerar todo patrimônio acumulado, ainda terá de fazer uma dívida, especialmente de longo prazo, então a sugestão é: a única hipótese é se o valor do aluguel for extremamente inferior ao valor da parcela do financiamento, pois assim de fato você tem alguma chance de ter uma vantagem nesse planejamento.

Para os que possuem o valor integral para quitação do imóvel, alguns aspectos a serem avaliados antes da aquisição são:

– Possuo interesse de me manter nesse mesmo imóvel por muitos anos?

Essa é uma questão importante, pois muitas vezes nossas vidas seguem rumos diferentes, ou oportunidades importantes surgem em outros locais, e o fato de termos um imóvel torna eventuais mudanças, um problema a ser considerado.

– Precisarei de dinheiro num futuro próximo (ou mesmo no médio prazo)?

Imóveis são ótima forma de manter dinheiro “guardado” de forma segura, mas tem um grande ponto negativo: “liquidez” baixa! Ou seja, se você precisar eventualmente de dinheiro de forma rápida, ter de vender o imóvel para levantar o dinheiro pode ser um problema, pois depende da situação do mercado imobiliário como um todo, da eventual negociação com o potencial comprador e, eventualmente, de conseguir um empréstimo no banco usando o imóvel como garantia, pagando taxas ridiculamente altas! Lembre-se disso, é um fator muito importante!

– Ter o dinheiro na mão me trará melhores oportunidades de negócios?

Para os que possuem empresas, negócios ou atividades profissionais em que de tempos em tempos surgem oportunidades de lucro que passem por adquirir um bem ou serviço que se encontra momentaneamente numa faixa de preço super interessante de modo a revende-lo por um outro preço bem melhor, tem de avaliar com muito cuidado a idéia de imobilizar o capital num imóvel, exatamente pelo motivo detalhado no item anterior! O chamado “custo de oportunidade” de ter o dinheiro à mão para caso uma ótima oportunidade de negócio surja é algo importantíssimo.

Considerando que essa avaliação acima já foi realizada e chegou-se à conclusão que a hipótese da compra do imóvel segue viável, é chegada a hora da comparação com a eventual locação de imóvel semelhante. 

Nesse momento alguns aspectos devem ser levados em consideração na análise:

– Qual o rendimento líquido que você terá na aplicação em que está o dinheiro?

Essa informação é importantíssima, e atente-se que tem de ser “líquido” de impostos, ou seja, você precisa abater o montante do Imposto de Renda que será retido na hipótese do saque, que tem alíquota mínima de 15%.

– Qual o valor da locação do Imóvel analisado como alternativa?

Você precisa ter em mão, o valor exato da locação somado a qualquer taxa eventualmente cobrada pela imobiliária, excetuando-se IPTU, seguros diversos do imóvel, condomínio, etc, pois essas taxas deverão ser pagas independentemente de ter comprado ou locado o imóvel

Tendo ambos esses valores em mãos, você deverá verificar qual das 3 hipóteses abaixo se enquadram:

1ª- Valor da locação superior ao rendimento da aplicação.

2ª- Valor da locação igual ou ligeiramente abaixo do rendimento da aplicação.

3ª- Valor da locação bem inferior ao rendimento da aplicação.

Na primeira hipótese, nem há muito o que se cogitar. Se o valor da locação é superior ao valor do rendimento da aplicação, a locação NÃO VALE a pena e a aquisição se torna a hipótese mais óbvia a ser seguida.

Na segunda hipótese, é uma questão a ser avaliada, pois se o valor da locação é igual ou ligeiramente abaixo do rendimento, aspectos mais subjetivos como os elencados no início do artigo devem ser avaliados. Ambas as escolhas apresentam similaridades nos aspectos financeiros então outros aspectos devem compor a avaliação.

Na terceira hipótese, onde o valor da locação é bem inferior ao rendimento da aplicação, e tendo as questões elencadas no início do artigo sido analisadas e eventualmente descartadas, a hipótese da locação quase que certamente se apresenta como a melhor a ser seguida, frente às vantagens financeiras analisadas serem as mais óbvias!

No fim, lembre-se sempre: a escolha do seu futuro lar e dos quesitos financeiros envolvidos na eventual aquisição ou locação do mesmo deve ser uma decisão tomada com calma, tranquilidade, controle das variáveis envolvidas, e atendendo às expectativas e anseios de toda família. Qualidade de vida passa por uma boa organização financeira, mas também por adequar as escolhas às preferências e anseios da família!

Recomendados